Pessoa que está sendo alvo de possibilidade de declaração de incapacidade – Necessidade de entrevista – Pedido de interdição –


Primeiramente, é importante explicar que, ação de interdição é uma medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, por qualquer um dos motivos indicados pela lei, ficando sujeita à curatela, que é a função exercida pelo curador, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
O nosso Código de Processo Civil, ao regular sobre o processo de interdição, no artigo 751, prevê a entrevista da pessoa (interditando) que está sendo alvo de possibilidade declaração de incapacidade, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, da seguinte forma:
“Art. 751. O interditando será citado para, em dia designado, comparecer perante o juiz, que o entrevistará minuciosamente acerca de sua vida, negócios, bens, vontades, preferências e laços familiares e afetivos e sobre o que mais lhe parecer necessário para convencimento quanto à sua capacidade para praticar atos da vida civil, devendo ser reduzidas a termo as perguntas e respostas. Gostou do tema dessa postagem? Se quiser, comente no formulário abaixo.

Como deve ser feito o pedido de interdição de uma pessoa?

Sobre como deve ser feito o pedido de interdição de uma pessoa –

Para começar, é importante informar que a ação de Interdição é uma medida judicial que visa declarar a incapacidade de uma pessoa, para adminstrar seus bens e, eventualmente, para a prática de atos da vida civil, por qualquer um dos motivos indicados pela lei.
Também, é importante explicar que o nosso Código de Processo Civil, determina, no artigo 747, quem pode pedir a interdição de alguma pessoa, da seguinte forma:
“A interdição pode ser promovida:
I – pelo cônjuge ou companheiro;
II – pelos parentes ou tutores;
III – pelo representante da entidade em que se encontra abrigado o interditando;
IV – pelo Ministério Público.
Parágrafo único. A legitimidade deverá ser comprovada por documentação que acompanhe a petição inicial.
O nosso Código de Processo Civil, no artigo 749, determina como deve ser feito o pedido de interdição, conforme a seguir:
“Incumbe ao autor, na petição inicial, especificar os fatos que demonstram a incapacidade do interditando para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos da vida civil, bem como o momento em que a incapacidade se revelou.” Leia, também: Quem pode pedir a interdição de uma pessoa? Clique aqui para visitar o canal do YouTube da Advogada Ana Lucia Nicolau

Quem pode pedir a interdição de uma pessoa?

Para começar, é importante destacar que a ação de Interdição é uma medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, por qualquer um dos motivos indicados pela lei, ficando sujeita à curatela, que é a função exercida pelo curador, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
O nosso Código de Processo Civil, no artigo 747, determina que:
“A interdição pode ser promovida:
I – pelo cônjuge ou companheiro;
II – pelos parentes ou tutores;
III – pelo representante da entidade em que se encontra abrigado o interditando;
IV – pelo Ministério Público.”

O Alcoólatra pode ser interditado?

i/nterdição do alcoólatra

Interdição do alcoólatra. Esse é o tema dessa postagem.

O Alcoólatra, ou seja, a pessoa viciada em bebida alcoólica, pode ser interditado, mediante declaração judicial de sua incapacidade de administrar seus bens e, se for o caso, de praticar atos da vida civil. A ação de interdição é a medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, pelos motivos indicados pela lei.
Importante explicar que, os motivos indicados pela lei são as condições para possibilitar o pedido de interdição. Assim, a pessoa declarada incapacitada de administrar seus bens ou de praticar atos da vida civil, fica sujeita à curatela. O curador é a pessoa que exerce a função de curatela, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
Nesse sentido, o alcoólatra está indicado, como pessoa sujeita à curatela, no inciso III, do artigo 1.767, do Código Civil. Contudo, a lei denomina o alcoólatra como ébrio habitual. Além disso, é importante indicar que, o nosso Código Civil trata dos interditos nos artigos 1.767 a 1.778. O artigo 1.767 indica quem são as pessoas que estão sujeitas a curatela. Assim, estão sujeitos à curatela: A) aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade; B) os ébrios habituais e os viciados em tóxico; C) os pródigos.
Visite, também: O drogado pode ser interditado? Clique aqui para visitar o canal do YouTube da Advogada Ana Lucia Nicolau – Gostou do tema dessa postagem? Se quiser, deixe seu comentário no formulário abaixo.

O que deve ser demonstrado no pedido de interdição de uma pessoa?

Para começar, ação de interdição é uma medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, por qualquer um dos motivos indicados pela lei, ficando sujeita à curatela, que é a função exercida pelo curador, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
O nosso Código de Processo Civil, determina, no artigo 749, que:
” Incumbe ao autor, na petição inicial, especificar os fatos que demonstram a incapacidade do interditando para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos da vida civil, bem como o momento em que a incapacidade se revelou.”

Ação de Interdição – Quando pode ser declarada a incapacidade de uma pessoa?

Primeiramente, é importante explicar que, ação de interdição é uma medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, por qualquer um dos motivos indicados pela lei, ficando sujeita à curatela, que é a função exercida pelo curador, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
O nosso Código Civil trata dos interditos nos artigos 1.767 a 1.778, determinando (no artigo 1.767) que estão sujeitos a curatela aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade; os ébrios habituais e os viciados em tóxico; os pródigos.
Indo um pouco mais além, o nosso Código de Processo Civil trata do processamento da interdição nos artigos 747 a 758, sendo que, no artigo 747, determina:
“A interdição pode ser promovida:
I – pelo cônjuge ou companheiro;
II – pelos parentes ou tutores;
III – pelo representante da entidade em que se encontra abrigado o interditando;
IV – pelo Ministério Público.”
e no artigo 749 determina:
“Incumbe ao autor, na petição inicial, especificar os fatos que demonstram a incapacidade do interditando para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos da vida civil, bem como o momento em que a incapacidade se revelou.”

O viciado em tóxico – comumente chamado de drogado -pode ser interditado?

O drogado pode ser interditado?

Drogado. Expressão comum para chamar o viciado em tóxico. Essa pessoa pode ser interditada? A resposta é a reflexão desse texto.
O drogado, ou seja, a pessoa viciada em tóxico, pode ser interditado, mediante declaração judicial de sua incapacidade de administrar seus bens e, se for o caso, de praticar atos da vida civil. Nesse sentido, a ação de interdição é a medida judicial que visa declarar a incapacidade de indivíduo, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, pelos motivos indicados pela lei.
Com efeito, os motivos indicados pela lei são as condições para possibilitar o pedido de interdição. Assim, a pessoa declarada incapacitada de administrar seus bens ou de praticar atos da vida civil, fica sujeita à curatela. O curador é a pessoa que exerce a função de curatela, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
Nesse sentido, o drogado, está indicado, como pessoa sujeita à curatela, no inciso III, do artigo 1.767, do Código Civil. O nosso Código Civil trata dos interditos nos artigos 1.767 a 1.778. O artigo 1.767 indica quem são as pessoas que estão sujeitas a curatela. Assim, estão sujeitos à curatela: A) aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade; B) os ébrios habituais e os viciados em tóxico; C) os pródigos. Por fim, a clareza da lei, bem como, as explicações complementares acima, respondem à pergunta feita. Qualquer outra explicação ultrapassa o limite da resposta e tornará repetitivo o desenvolvimento textual dessa postagem.

Gostou do tema dessa postagem? Se quiser, deixe seu comentário no formulário abaixo.

Visite, também: O Alcoólatra pode ser interditado?

Clique aqui para visitar o canal do YouTube da Advogada Ana Lucia Nicolau

O que é ação de interdição de uma pessoa?

O que é ação de interdição de uma pessoa?

Ação de Interdição de uma pessoa. O que significa?

Ação de interdição é a medida judicial que visa declarar a incapacidade de uma pessoa maior, ou seja, a partir dos 18 anos, para administrar seus bens e, se for o caso, para praticar atos de sua vida civil, pelos motivos indicados pela lei. O objetivo da ação de interdição é de impedir que a pessoa, comprovadamente, sem condição de exercer atos da vida civil, possa atuar por si só, tornado necessária a participação de um representante, nomeado na sentença dessa ação. Assim, a pessoa declarada incapacitada para administrar seus bens ou de praticar atos da vida civil, fica sujeita à curatela. O curador é a pessoa que exerce a função de curatela, para a proteção da pessoa e dos bens do interditado.
Com efeito, importante explicar que, os motivos indicados pela lei são as condições que possibilitam o pedido de interdição. Nesse sentido, o Código Civil indica quem são as pessoas sujeitas a curatela, nos artigos 1.767 a 1.778. Como resultado, estão sujeitos à curatela: A) aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade; B) os ébrios habituais e os viciados em tóxico; C) os pródigos.

Dessa forma, as explicações, acima, respondem à pergunta feita. Certamente, qualquer outra explicação ultrapassará o limite da resposta e tornará repetitivo o texto dessa postagem.
Gostou do tema dessa postagem? Se quiser, deixe seu comentário no formulário abaixo.

Clique aqui para visitar o canal da Advogada Ana Lucia Nicolau no YouTube

Para saber outras informações interessantes sobre assuntos jurídicos – Clique aqui